Coordenadora do curso de Saúde da Facottur, Yara Fidelix,Fala sobre o Novembro Azul.

Postado por facottur em Últimas notícias

O Dia Mundial Contra o Câncer de Próstata é celebrado no próximo dia 17, mas a campanha do Novembro Azul já está em evidência na imprensa, nas redes sociais e nas instituições de saúde desde o início desse mês. A Coordenadora do curso de Saúde da Facottur, Yara Fidelix, conversou com nosso blog sobre o tema.

QUE É O NOVEMBRO AZUL?

O Novembro Azul é uma campanha de conscientização sobre o câncer de próstata que tem por objetivo combater a doença e, principalmente, motivar a população masculina a fazer exames preventivos.

COMO E POR QUE SURGIU? 

O Novembro Azul surgiu na Austrália e a ideia se alastrou por vários países, inclusive o Brasil, como forma de chamar a atenção dos homens para a importância da prevenção. Hoje, a campanha atinge países como Austrália, Estados Unidos, Nova Zelândia, Canadá, Holanda, Espanha, África do Sul, entre outros. O câncer de próstata é considerado o segundo tipo que mais mata homens no Brasil (perde apenas para o câncer de pele não melanoma) e aproximadamente 44% dos homens brasileiros com mais de 40 anos nunca foram ao urologista, mostrando a necessidade de conscientização sobre a doença.

 QUAL A IMPORTÂNCIA DA PREVENÇÃO?

O câncer de próstata não pode ser evitado, mas é possível diagnosticá-lo precocemente, quando as chances de cura são de aproximadamente 90%. Na fase inicial, quando as chances de cura são maiores, não há qualquer sintoma. Por isso a importância dos exames preventivos. No entanto, vale ressaltar que uma dieta rica em frutas, verduras, legumes, grãos e cereais integrais, e com menos gordura, ajuda a diminuir o risco de câncer. Além disso, outros hábitos saudáveis também são recomendados, como fazer, no mínimo, 30 minutos diários de atividade física, manter o peso adequado, diminuir o consumo de álcool e não fumar.

 E O PRECONCEITO?

O preconceito foi criado por conta do exame de toque. Segundo o Urologista Ivan Carlo de Manzano Linjardi, de São Carlos (SP), o preconceito em relação ao exame está diminuindo, mas ainda existe. Segundo o médico, o preconceito surge da falta de informação. “O exame de toque retal é feito através da introdução digital pelo ânus, é um exame rápido, indolor e os homens não sabem disso, eles acham que vai doer, vai sangrar, que irão perder a masculinidade se fizerem o exame. Isso não tem nada a ver, o exame em nada influencia a orientação sexual do paciente”, diz.

QUEM DEVE FAZER?

Mesmo na ausência de sintomas, homens a partir dos 45 anos de idade, ou dos 40, se houver histórico familiar, devem ir anualmente ao urologista. Previna-se!

 

 ABRACE A CAUSA E DIVULGUE ESTE TOQUE DE SAÚDE!

 

 

Mais informações:

http://www.sbu.org.br/?campanha-novembro-azul

http://www.uniara.com.br/ageuniara/artigos.asp?Artigo=1672

 

Deixe seu Comentário